Blog da Clave

Conteúdo | marketing | RP 2.0

Como qualquer um pode escrever um artigo para blog que converta

 

 

Neste artigo vou compartilhar um passo a passo simples sobre como escrever um artigo para blog corporativo ou um blog para e-commerce.

 

Esta é a técnica padrão que usamos na Agência Clave para os textos dos blogs corporativos de nossos clientes.

 

Este artigo foi concebido para ser um guia prático. Aconselho que favorite este link para usar em futuras consultas.

 

Com clareza e transparência pretendo transmitir, didaticamente, nosso procedimento. Espero que ajude e que gere resultados.

 

Ao aplicar estas técnicas em seu blog, volte aqui e deixe nos comentários como foram os resultados, ficarei feliz em lê-los. Bora lá.

 

 

Como escrever um artigo para blog: processo

(índice deste artigo)

 

Como o objetivo é ser didático, terei que explicar mais profundamente alguns pontos, os que forem importantes para o entendimento do próximo item e, para compensar, vou evitar entrar em detalhes nos pontos onde já abordei a temática aqui neste blog. Para estes colocarei um link.

Fique à vontade para solicitar explicações extras ou mais conteúdo nos comentários.

Com exceção do título, os demais itens precisam seguir a ordem necessariamente, pois a concepção de um artigo não deixa de ser uma construção lógica onde o passo seguinte depende do elaborado no passo anterior.

como escrever um artigo para blog

 

 

 

Definir conteúdo e palavras-chave para um artigo de blog corporativo

 

Tudo se inicia pelo planejamento.

É necessário agir estrategicamente para concorrer em um mercado extremamente competitivo. Provavelmente, metade ou mais de seus concorrentes não planejam. Se você fizer já vai estar muito a frente deles. É importante!

Definir o conteúdo é simples, utilize métricas e dados que sua empresa ou projeto provavelmente já tem. Vou listar alguns:

 

Comentários de seus públicosFaça uma leitura dos comentários de seus públicos em seus canais como Facebook, site, e-mails, blog se já possui um, Reclame Aqui, etc. Verifique também o Facebook e Reclame Aqui de seus concorrentes diretos. Em seguida, faça uma lista de dúvidas que mais aparecem, como um ranking, e organize do tema mais requisitado ao menos. Vamos seguir esta ordem, afinal, queremos maximizar nossos resultados com o menor esforço possível. Veja um exemplo dentro da realidade da minha empresa:

como escrever um artigo para blog

Uma lista como esta é rica. Destacando apenas o primeiro item, podemos desdobrar em muitos conteúdos de interesse como: Como criar imagens para um blog; Como formatar textos para blog; O que um profissional precisa para escrever para blog; etc.

 

Google Analytcs   Existe uma sessão nas estatísticas de seu site que podem apontar uma direção para os assuntos de maior interesse de seu público. Escrever sobre eles vai aumentar muito a relevância de seu blog e, por consequência, o percentual de conversões. No menu esquerdo vá em COMPORTAMENTO/ Conteúdo do site ▼ / Páginas de destino.

Quando aparecer a relação de páginas classifique por duração da sessão > crescente (basta clicar no título), assim vai saber as páginas em que seu público ficou mais tempo e, provavelmente, a que despertou maior interesse. Veja o exemplo:

como escrever um artigo para blog

Como interpretar? Neste exemplo do site da Agência Clave a página em que a pessoa ficou mais tempo é sobre blog no marketing digital, logo, este conteúdo é atraente para minha audiência. Sei que um artigo como “este que vos escrevo” é relevante e desperta seu interesse. Você não precisa se limitar a primeira posição, é um ranking e pode usar as demais referências da lista. Não é um dado exato, mas isso potencializa muito a relevância de seu conteúdo.

 

Contato HumanoConsidero este o dado mais valioso. Fale com as pessoas que têm contato direto com o público desejado. Como comercial e atendimento se o alvo for os clientes por exemplo. Pergunte para essas pessoas o que o cliente mais anseia, o que ele mais pergunta e, principalmente, o que ele mais pede. Se for algo que possa virar um artigo… Pronto! Você tem uma informação valiosa nas mãos. Aqui cabe desenvolver sua capacidade de interpretar e classificar as conversas, quanto melhor mais precisa será sua aferição.

 

Para escolher a palavra-chave é relativamente mais simples: Eleja uma lista com palavras-chave que seu público em potencial utilizaria para encontrar serviços e produtos como o seu. Em seguida utiliza a ferramenta “planejador de palavras-chaves” do Google Adwords, se não tem uma conta, pode criar uma gratuitamente. Basta seguir o caminho:

como escrever um artigo para blog

Verifique suas palavras nesta ferramenta, e veja qual mais lhe convém usar. A escolha vai variar de acordo com a estratégia de campanha orgânica de cada um, mas, por regra, costuma-se escolher as palavras que possuem menor concorrência e, dentre elas, as que têm mais buscas mensais.

Escolha a palavra-chave quando escolher o tema, pois ambas precisam estar relacionadas. Deste modo, você irá aumentar significativamente sua colocação nas buscas orgânicas.

 

 

Como criar títulos de artigos para blog

 

O título deve necessariamente corresponder com exatidão ao conteúdo, não frustre sua audiência com promessas apenas para atrair cliques, isso será um tiro no pé.

Iniciei este item com uma advertência porque é muito comum o título “chama cliques” e isso é uma prática muito ruim para quem quer formar uma boa imagem e converter. Mas ainda assim, ele pode ser muito atraente, aliás, ele deve ser atraente… Irresistível, se possível.

Aqui usa-se a técnica de “gatilhos mentais”. Ela consiste em termos facilmente associados pela sua audiência, que fazem sentido para ela, seja positivo ou negativo, ambos são úteis.

Conheça bem seu público, procure conversar com amostras dele. Se você é o líder do projeto tem mais chances de ter essas informações prontas em sua mente, basta organizá-las. Proponho fazer da seguinte forma: (imagine que cada barra é um termo)

como escrever um artigo para blog

Faça esta lista com muito cuidado e dedicação, quanto mais assertiva, maior serão suas chances de conversão. A estrutura do seu título pode conter:

como escrever um artigo para blog

Vale lembrar que estes termos que fazem sentido para seu público alvo podem e deverão ser utilizados nas argumentações durante a confecção dos textos. É uma importante ferramenta para influenciar seu público.

Utilize sempre de forma ética e com verdade, jamais exponha mais do que tem a oferecer apenas pelo clique.

 

 

 

Formato de um texto para blog

 

Este ponto é o mais simples, porém um dos mais importantes. Este formato que vou apresentar visa dar mais organização para o conteúdo, facilitar o entendimento e manter a pessoa dentro da página.

Fazer com que ela se sinta bem é imprescindível, e logo que ela “bate o olho na página”, ela decide se quer ler ou não o conteúdo que você teve muito trabalho para fazer. As regras são;

 

:: Utilize subtítulos para separar os parágrafos que possuem uma distinção maior entre si. Como fiz neste artigo;
:: Escreva parágrafos curtos e com espaçamento duplo;
:: Use imagens e gráficos para ilustrar o conteúdo bem como uma imagem de capa;
:: Repita a palavra-chave escolhida cerca de 1,5% do tamanho do texto. Ex. texto de 250 palavras repita cerca de 3 vezes e utilize a palavra-chave no primeiro subtítulo;
:: Faça uso de listas com marcadores como esta aqui;
:: Utilize um espaçamento bom entre as linhas do texto a fim de dar respiro;
:: Use um tamanho de fonte bom para uma leitura confortável (neste caso vai depender do design de seu site).

 

Estes itens são obrigatórios, é o mínimo para gerar um texto para blog com boa leitura. Veja a comparação de uma página com e outra sem este formato. Qual você escolheria para ler primeiro?

como escrever um artigo para blog

 

Formato de conteúdo para blog corporativo

Diferente do formato do texto, o conteúdo é subjetivo, está no campo das ideias, mas para este também cabe formatação.

Existem diversos formatos, mas destaquei um muito simples. Consiste em uma técnica de jornalismo chamada “pirâmide invertida” onde a informação mais importante fica na base e a menos importante na ponta.

Acredito que, graficamente, é mais fácil de entender e gravar. Considere a parte mais escura da pirâmide como a informação mais importante e a mais clara, a menos.

Explore este formato. Você pode utilizar em diversas posições para estruturar o seu texto.

É essencial ter em mente a estrutura que está usando, por isso, os gráficos. Precisa saber onde, exatamente, deve colocar cada informação. Confira outros que proponho:

 

como escrever um artigo para blog

É possível combinar as técnicas e ter domínio sobre o seu conteúdo, ter isso em mente ajuda no esforço de influenciar seu público.

como escrever um artigo para blog

Tenho certeza que agora sua mente está cheia de ideias, se sim, parabéns. Isso é consequência do conhecimento organizado em sua mente.

Qual técnica usar vai depender do seu objetivo e do conteúdo que deseja passar. A título de exemplo, você pode usar a pirâmide combinada, a primeira, para gerar expectativa no leitor e prender ele até o fim do artigo, mas não cabe a qualquer tipo de conteúdo.

Você deve avaliar com cuidado o que terá em mãos quando for escrever (perfil do público, conteúdo, recursos no blog, etc.). Some tudo e escolha a que mais lhe convém.

 

Imagens para blog corporativo

 

Eis o tópico mais simples, para este reservo conselhos baseado em experiências da Agência Clave e de colegas de outras agências.

Claro que as regras básicas valem: fotos e gráficos em boa resolução, precisam ser leves, necessariamente um artigo para blog precisa ter imagens, entre outros. Para além do básico, considere:

 

Imagens relevantes – Ex.: Se está escrevendo sobre sua equipe e tem uma foto real, ela tem mais relevância que uma profissional de banco de imagem, dependendo de como ela for, trará mais conversões.

Não subestime a câmera de seu celular – com a técnica certa é possível desenvolver um trabalho incrível, mas este assunto já tratei em outro artigo (Nunca subestime o uso profissional da câmera de seu celular).

Utilize gráficos para ilustrar uma ideia – Use ferramentas do office para isso ou programas gratuitos disponíveis na internet. Considere, talvez contratar um ilustrador freelancer.

Edite as fotos – Sempre cabe melhorar a luz, exposição, etc. das fotos. Também colocar elementos para facilitar o entendimento como textos e setas, se for necessário.

Foto de capa – esta precisa atender basicamente a dois quesitos: relevância para atrair o leitor; e relação direta com o conteúdo, não se pode decepcionar o leitor.

 

 

Se tem alguma dúvida ou sentiu falta de alguma informação, comente aqui que irei acrescentar o que estiver faltando. E se já usa ou usou algumas destas técnicas, compartilhe sua experiência.

 

 

Relações Públicas e fundador da Agência Clave. Blogueiro de diversas empresas e promotor de práticas digitais mais honestas e transparentes. Um eterno orgulhoso das boas avaliações que recebe de seus clientes. Um brasileiro otimista.

http://www.amapadigital.net/sysmbs/img_noticia/marco_civil_da_internat.jpg

O que é o Marco Civil da Internet (PL 2126/ 2011)?

 

Desde que conhecemos e começamos a utilizar a internet muita coisa foi melhorada no mundo cibernético, e ainda que tentemos conhecer cada pedacinho dela, jamais conseguiremos. Há, cada dia, mais e mais conteúdos são inseridos na rede, para todos os gostos. Ainda que seja um espaço democrático, se fez necessário garantir o direito básico de acesso a internet, a seus conteúdos, sem que para isso tenhamos que pagar mais.

O projeto de lei 2126/ 2011 foi criado de maneira colaborativa, juntando as ideias do governo e as necessidades citadas pelo povo, tudo via internet! Assim o projeto de lei levou em consideração os interesses da população para sua feitura.

O projeto é muito interessante e seu maior triunfo, é garantir acesso a internet a todos os cidadãos sem restrições e democraticamente. Deste modo quem tem internet de velocidades astronômicas ou quem ainda usa internet discada, tem acesso ao mesmo conteúdo se quiser e, pode deliberadamente, acessar de acordo com seus interesses, diferente do que acontece com outras mídias (TV, jornais, etc.), onde nos é imposto um determinado produto ou serviço e as informações transmitidas visam, entre outras coisas, manipular a sociedade.

O controle da internet no Brasil por parte das operadoras contrariam o Marco Civil (PL 2126/2011), pois visam tomar um poder que até então abriram mão, de “ditar”ao público o que consumir.

O que o projeto estabelece?

Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Dentre os pontos mais interessantes estão:

I – garantia da liberdade de expressão, comunicação e manifestação de pensamento;

II – proteção da privacidade;

III – proteção aos dados pessoais, na forma da lei;

IV – preservação e garantia da neutralidade da rede, conforme regulamentação;

V – preservação da estabilidade, segurança e funcionalidade da rede, por meio de medidas técnicas compatíveis com os padrões internacionais e pelo estímulo ao uso de boas práticas.

Um dos capítulos do projeto de lei diz que fica proibido as operadoras de internet a criação de pacotes que façam distinção a conteúdos, origem, destino, serviço… prática que ocorre dependendo do meio em que se acessa a internet.

Andamento do projeto

O projeto foi apresentado pelo Poder Executivo (Presidência) em 2011, ganhou tanta visibilidade que foi criada uma comissão especial para avaliá-lo, além de várias audiências com debatedores/ especialistas para discutir melhor o assunto antes da votação do mesmo.

Em 12/09/2013, o Poder Executivo solicitou que o projeto passasse a tramitar em regime de urgência, ou seja, prazo de 45 dias para apreciação e votação por parte da Câmara. O prazo expirou. Muitas vezes o projeto foi retirado da pauta do plenário e outra vezes por não ter por cancelamentos, mas com o prazo expirado, o projeto precisa ser votado.

População X Lobby

Assim como a população têm se organizado para lutar em prol do que acha certo, e derrubar o que acha errado, as indústrias são organizadas e possuem pessoas preparadas que ficam no Congresso assistindo as reuniões de comissões, visitando os parlamentares em seus gabinetes, etc.

A pressão imposta pelas empresas e as suas promessas são tão fortes que iludem muitos parlamentares que acabam por ceder a seus interesses, esquecendo os interesses de quem realmente servem: o povo.

Em recente petição expedida pelo ex-ministro da cultura, Gilberto Gil, mais de 250 mil pessoas assinaram a mesma em favor do PL 2126/2011. A petição assinada será entregue aos congressistas, e as centenas, quem sabe, milhares de tweets enviados aos deputados participantes.

Onde o projeto está?

O projeto aguarda votação no plenário da Câmara dos Deputados. Hoje, 11/03/2014, por estratégia, o plenário foi esvaziado para que, caso houvesse uma votação, o projeto não fosse arquivado.

É preciso dizer, que o projeto já foi lido, o parecer do relator (Dep. Alessandro Molon – PT/RJ) pela aprovação, também já foi proferido. Agora é aguardar a votação do PL e dos seus 36 apensados e de suas emendas!

Projeto de lei na íntegra | Acompanhamento (tramitação) | Mais: http://www.camara.gov.br

marco civil da internet PL 2126/2011

 

Nota Agência Clave:

 

A Agência Clave apóia o Marco Civil da Internet por reconhecer que a liberdade de informação é relevante para seus negócios e infinitamente importante para a sociedade brasileira. O poder de comunicação para os indivíduos bem como seu livre uso é o principal responsável por articular grupos organizados da sociedade que lutam por interesses de bem comum. Igualmente importante para alimentar a opinião pública de informações de interesse público de forma livre, acessível, em quantidade e qualidade suficiente para a formação saudável da opinião pública acerca de temas controvertidos e que exigem ampla discussão da sociedade.

Apoiamos assim o PL 2126/2011, bem como as constantes discussões de seu texto com o envolvimento da sociedade.

Formada em Relações Públicas pela Fapcom, atuou por 8 anos no terceiro setor com comunicação na temática Segurança Pública. Hoje é responsável pela redação do Profissão Hoteleiro e Relações Públicas na Agência Clave.

Públicos 2.0: Quem são eles?

Quem é este público da internet? Se não é o mesmo da TV, dos jornais, do rádio, das mídias comuns… quem são eles?
Seria muito conveniente dizer que o público 2.0 é um misto de todos os perfis de públicos que já conhecemos, mas mesmo assim, qual é este perfil de público que não encontramos em mídias tradicionais?
Peço desculpas por iniciar um artigo com tantas questões, mas é a pergunta que venho me fazendo já há algum tempo e gostaria de compartilhar este anseio com vocês.
Confesso que não desenvolvi um estudo mais aprofundado do caso, mas pelas minhas rasas pesquisas vejo muitas tentativas de diversos profissionais de mídias sociais para definir este público. É muita gente estabelecendo regras e padrões, mas que são facilmente questionados quando outro “pensador 2.0” apresenta uma nova teoria. É um fenômeno instigante para estudiosos, porém muito novo para se convencionar padrões técnicos.
Com tudo eu concluo que não tem como, de imediato, fazer afirmações sobre este perfil de público, seria como esculpir em barro mole, onde de define uma forma que se perde em pouco tempo, mas nos dias de hoje, em que a crescente procura por profissionais de mídias sociais é realidade principalmente no setor privado brasileiro, em que financeiras já exigem isso para financiar investimentos de organizações privadas com juros menores, entre outros exemplos. Fica claro entender o porquê muitos tentam fundar suas bases, até mesmo incerta, em algumas teorias, pois o importante neste momento para alguns é se projetar, ainda que para isso tenha que “inventar teorias”. Obviamente não concordo com este profissional que encontramos aos montes por aí.
Retomando a discussão sobre os públicos, acredito que o melhor estudioso neste momento de incertezas é aquele que observa este fenômeno social com curiosidade e sensibilidade o suficiente para perceber a mínima movimentação.
Falar dos públicos no ambiente 2.0 é algo para poucos, espero um dia ser um destes poucos. De certo posso dizer que eles se projetam nas mídias sociais com os mesmos anseios, postura, conceito moral que nas relações sociais fora do cyber espaço, a diferença é a plataforma que altera a forma como as pessoas agem diante de um determinado fato. Explicando melhor: Imaginem uma pessoa lesada por uma empresa e o único lugar onde ela pode reclamar é no SAC da empresa, agora imaginem a mesma situação em que, além disso, ela pode publicar o ocorrido para milhares de consumidores da mesma empresa. Deste individuo percebemos que ele não mudou sua forma de pensar ou de agir, mas ele teve um poder de comunicação que possibilitou que seu pensamento sobre o fato atingisse mais pessoas em pouco tempo. Sei que isso é óbvio, mas chamo a atenção para o fato de que os fundamentos para um bom relacionamento com os públicos não muda, como: ética, transparência, respeito, etc.
Acredito que a melhor forma de responder as dúvidas do inicio da minha reflexão é delimitar para questões mais específicas e assim fazer o quanto for necessário, pois o começo do entendimento de um fenômeno tem como premissa informações de qualidade e pertinência. Então…
Como podemos fazer chegar ao público 2.0 os valores da organização?
Qual o perfil deste público, de que forma ele espera ouvir da organização o que a organização tem pra dizer, ou melhor dizendo, como a organização pode dizer ao público o que o público espera ouvir da organização nesta nova plataforma?

Relações Públicas e fundador da Agência Clave. Blogueiro de diversas empresas e promotor de práticas digitais mais honestas e transparentes. Um eterno orgulhoso das boas avaliações que recebe de seus clientes. Um brasileiro otimista.