Blog da Clave

Conteúdo | marketing | RP 2.0

Como definir a pauta de conteúdo para blog

A plataforma dita se o conteúdo para blog será mais flexível ou não. Sendo institucional, tal flexibilidade ainda vale, porém, é preciso sempre ter em mente que se trata de uma ferramenta da própria empresa para se comunicar com seus públicos de interesse, bem como atender aos seus anseios.

Neste sentido, pare um momento e pense em qual público está mais propício a visitar o seu conteúdo para blog. É o mesmo que visita o site de sua empresa? É o mesmo que consome seus produtos ou serviços?

Para saber ao certo, verifique os dados de acesso do Blog e de seu site.

 

O Público segundo o Google Analytics

 

Ao acessar o Google Analytics de sua empresa, na barra lateral esquerda, procure por Público. Em Visão Geral, você encontrará itens que trata do local onde o acesso está vindo:

  • País
  • Idioma falado
  • Cidade
  • O navegador utilizado
  • Se é celular, qual o sistema operacional, a resolução da tela

 

Muitas informações que podem moldar uma campanha feita, mas, para o blog, se atente ao país e o dispositivo de onde acessa.

Ainda no item Público, clique em Públicos e você encontrará gráficos com a idade das pessoas que visitam seu site, o sexo e a categoria de interesse. Neste último, trata-se do que estas pessoas buscam na internet, por exemplo, esportes, eletrônicos, viagens.

 

O que acessam em seu conteúdo para blog segundo o Google Analytics

 

Dentro do seu Google Analytics é hora de analisar o que é mais acessado em seu site.

No menu lateral esquerdo, clique em Comportamento, abra o item Conteúdo do site e, em seguida, abra Páginas de Destino.

 

 

conteúdo para blog

 

Neste item você verá quais são as páginas mais acessadas e, a partir daí, poderá determinar com mais clareza os assuntos que sua audiência mais tem interesse. Nesta página, analise:

 

  • Página de destino que apresenta maior número de sessões
  • Taxa de rejeição
  • Duração média da sessão

 

Claro, aferir completamente todas as variáveis é o ideal, mas apenas estas já lhe dirão muita coisa.

Faça uma lista por assunto mais acessado (partindo dos que mais tem acesso, em ordem decrescente). Cinco assuntos já é o suficiente e poderá gerar mais pautas.

 

Pronto!

 

O público já foi identificado, os assuntos mais acessados também já foram encontrados.

A pesquisa confere com o que você tinha em mente? Não precisa responder aqui =)

 

Na sua lista de itens mais acessados, o que poderia ser destrinchado, ou melhor dizendo, o que poderia render mais artigos?

 

Como as pessoas buscam pelo assunto na internet?

 

Quando estamos imersos em um projeto ou uma empresa, sabemos como buscar pelo serviço ou produto que oferecemos na internet.

O que não levamos em consideração é a maneira como o cliente ou possível cliente realiza esta pesquisa. Então, volte uns passos para trás e tente pensar como seu cliente, se coloque em seu lugar. Como você, leigo do assunto, faria uma pesquisa? Que termos utilizaria?

Parece simples, mas não é. Como foi dito, é comum estar imerso ao seu projeto, por isso, torna-se muito difícil pensar como cliente.

Você precisará se esforçar para encontrar a palavra-chave que quer trabalhar no texto para blog. Já está definido possíveis temáticas para seu texto, agora, é necessário fazer uma lista com termos ou frases com que as pessoas buscariam por este assunto.

Somente liste.

 

O segundo passo é abrir o seu Google Adwords. Você irá pesquisar frase por frase e verificará quantas buscas por este tema existem, ou seja, é útil.

 

 

 

No menu superior do Adwords, clique em Ferramentas, em seguida, na coluna Planejamento, clique em Planejador de palavras-chave.

Coloque a frase no campo especificado e inicie a pesquisa. Se a frase for constantemente utilizada, ela irá aparecer na íntegra e ao lado a média de buscas mensais por ela. O conteúdo para blog deve se pautar nestes dados para que os textos sejam mais precisos e correspondam às expectativas dos leitores.

A palavra-chave deve ter relação com o tema do seu texto, claro. E agora é só escrever.

 

Se você não sabe como escrever, leia também Como qualquer pessoa pode escrever um artigo para blog que converta aqui.

 

Dicas para um bom texto

 

Percorrido todo este caminho, é a hora de escrever. Enquanto uma agência de Relações Públicas especializada em conteúdo, seguimos algumas dicas do livro Redação em Relações Públicas, de Marina Martinez Nunes.

 

  • Seja objetivo ao escrever.
  • Escreva de maneira clara. Isso ajuda a organizar as ideias de quem escreve e de quem lê.
  • Redija frases curtas, mas não sacrifique as ideias e o conteúdo para blog.
  • A precisão no que é escrito, aliada aos itens já dispostos aqui, evitam interpretações erradas.
  • O seu texto pode e deve ser harmonioso, seja coerente.
  • É possível ser educado e polido ainda que a mensagem a ser transmitida não seja agradável. É uma questão de prática.
  • Sempre revise seu texto. Pode ser uma nota, artigo, conteúdo para blog, release. Verifique se está claro, se a gramática está correta, etc. Se necessário, solicite que um terceiro revise.

 

E aí? Clareou as ideias? Conta aqui nos comentários o que achou!

Formada em Relações Públicas pela Fapcom, atuou por 8 anos no terceiro setor com comunicação na temática Segurança Pública. Hoje é responsável pela redação do Profissão Hoteleiro e Relações Públicas na Agência Clave.

O que aprendi atendendo mais de 90 empresas nos últimos 2 anos

Estive à frente de todos os projetos da Agência Clave – Criação de conteúdo digital, e atendi pessoalmente todos os clientes que necessitaram de nossos serviços.

Fiz desde consultorias (cerca de 50% deles) até uma simples tomada de briefing.

Em muitos casos tive que entrar de cabeça no projeto destes clientes, entender suas motivações econômicas e filosóficas, as que mantêm seus respectivos projetos.

Afinal, escrevemos textos sobre estas empresas e é preciso ser coerente e representar a realidade, destacar o que elas possuem de melhor.

Sou relações públicas e trabalho com conteúdo e imagem digital focado no Marketing Digital, portanto é natural que esta lista de lições que aprendi durante estes atendimentos, sejam direcionadas para o relacionamento entre empresas e seus públicos (clientes, parceiros, funcionários, fornecedores, etc.).

Todo negócio tem como base os relacionamentos, por isso a importância deste texto, na minha opinião.

Isso também explica o porquê é importante oferecer um excelente atendimento seja qual for seu negócio.

 

 

Para quem será útil este artigo?

 

Este artigo será útil principalmente para empresas que prestam serviços ou empresas B2B. Mas também para empresas onde o produto é impalpável ou minimamente subjetivo, como o nosso de criação de conteúdo, ou seja, para a maioria das prestadoras de serviços.

Para empresas que fabricam ou comercializam produtos físicos, terá uma utilidade menor, mas, leia mesmo assim, vai valer a pena.

 

Perfil destas empresas que atendi

 

Antes de listar cada lição absorvida no atendimento destes últimos 2 anos, é importante saber o porte e a proporção delas. Um levantamento rápido em meus controles aponta estes números aproximados:

 

5%  Empresas iniciais: que não possuem nada na internet e precisam começar tudo do zero;

10%  Empresas de pequeno porte: em sua maioria, o dono e uma equipe menor que 5 colaboradores;

20%  Empresas pequenas: com dois funcionários, geralmente sócios ou o dono e um ajudante;

65%  Grandes empresas: com altos faturamentos e grande equipe de colaboradores.

 

Cerca de 60% delas situam-se em São Paulo e as demais espalhadas por todo o Brasil. Em mais de 90% dos casos tratei diretamente com o dono da empresa ou familiar com alto comando. Apenas em 10% dos casos falei com o responsável pelo Marketing ou Comunicação da empresa.

 

Método para formular esta lista (pule direto pra lista se já estiver ansioso)

 

Claro que o aprendizado é amplo demais, é muito conteúdo. Determinei, então, que os itens mais relevantes e que mereciam compor esta lista são os que foram comuns a todas as empresas (alguns coincidiram entre a grande maioria), pois, assim, seria uma lista relevante para boa parte dos leitores, como você, por exemplo!

Não é um ranking. A ordem das lições que aprendi não obedecem a nenhuma hierarquia. É importante não classificar nenhum item acima do outro, todos são igualmente importantes. Resolvi enumerar apenas para organizar as informações.

Por que decidi fazer este compilado de aprendizagem e tornar o texto público?

 

Notei que os responsáveis com que conversei de cada empresa compartilharam muitas informações riquíssimas de experiências positivas e negativas, e sempre agregaram para o atendimento seguinte. Eu, instintivamente, usava isso nos atendimentos posteriores para indicar ações ou apontar o que poderia ou não funcionar.

Então, passei a classificar este aprendizado conscientemente e alguns deles pretendo compartilhar aqui (não todos, afinal tenho que garantir certa vantagem competitiva).

No entanto, separei os que tem potencial de impactar positivamente qualquer negócio, quero que seja útil para quem tiver acesso a este artigo em nosso blog.

Minha expectativa é que mais pessoas compartilhem nos comentários experiências semelhantes e até opostas, pretendo receber críticas e sugestões para maximizar o meu aprendizado e compartilhar elas aqui em futuras edições neste artigo. Por isso, comente depois que ver a lista, seja o que for, vai tornar o conteúdo mais rico.

Com isso em mente, pensei que poderia ser um bom conteúdo para todas as empresas… Logo, o resultado é este artigo que está lendo. Aproveite!

 

 

 

1. Quando ouvir “Pode me fazer um desconto” traduza para “quero fechar com você, mas não estou 100% seguro”

Quem já fez negócios comigo, tomou consulta ou só bateu um papo (geralmente de horas) já me ouviu dizer algo parecido. Defendo para que meus clientes pensem assim e atuo em meus negócios da mesma forma. Mas vou explicar...

Normalmente, os descontos solicitados não vão impactar na verba do cliente, mas ter a “sensação” de estar pagando menos, ou melhor de “ter levando uma vantagem”, por menor que seja, ajuda a trazer mais segurança ao contratar você. Então devo ceder?

Não! Nunca...

Aqui cabe minha experiência pessoal para exemplificar: Eu faço o cálculo do valor de meus serviços da forma mais justa que eu puder, deve pagar bem a equipe e ter uma boa margem de lucro, cobro o menor valor, mas que atende tudo isso e garanta qualidade excelente.

No meu caso, dar um desconto implica em duas coisas extremamente negativas: 1º - eu comprometo meu lucro ou a remuneração da equipe ou a qualidade do que eu entrego; 2º - Incoerência: Se eu concedi o desconto porque já não cobrei mais barato? É um “vai que cola?” O cliente pode não concluir isso, mas vai sentir algo parecido se ele for uma pessoa justa.

Então como proceder?

Meu conselho nestes casos é trabalhar mais o valor percebido que o cobrado, ou seja, brigue com seus concorrentes na qualidade e não no preço.

Mais claro? Ok! Não dê desconto, dê segurança.

Voltando ao meu exemplo... Foram raras as vezes em que concedi desconto, e geralmente concedi pedindo um prazo maior ou pagamento antecipado, pois isso diminui meus custos e repasso isso para o cliente. Coerência é importante! Recebo o mesmo e todo mundo fica feliz.

Normalmente, apenas nego e dou mais garantias. Meu atendimento é exclusivo e sempre estou disposto a conversar e ouvir, entrego mais que meus concorrentes e busco a melhor qualidade em tudo, entre outras garantias. Sem exagero, isso garante a conversão de mais de 90% nestes casos sem conceder o desconto.

Lembre sempre, se o cliente disser “quero fechar com você hoje, mas faz um desconto” ou “seu concorrente fez mais barato”, ele já tem a propensão de fechar com você, ele só quer segurança, dê isso a ele e ambos vão ser felizes.

2. Nem sempre o cliente quer ouvir um SIM

Pode me dar um desconto? Pode me entregar antes do prazo? Pode me fazer isso que está fora do seu escopo? Você sabe fazer isso?

Imagine responder 'não' para todas estas perguntas e, depois de tantos nãos, o cliente sair satisfeito?

Claro que a resposta negativa é para uma realidade em que não se pode cumprir o pedido, não é antiprofissional dizer que não tem capacidade de entregar algo. Pelo contrário, é o que se espera de um profissional e de uma empresa séria.

Tive contato com muitas empresas que internalizaram a filosofia de sempre dizer sim para o cliente e onde falar não é pecado ou, no mínimo, grosseiro.

A grande maioria dessas 90 empresas que atendi sabem dizer 'não' e conquistam uma confiança ainda maior do cliente, pois quando ouvem um 'sim' deles, este tem muito mais valor. Os clientes aprendem que o 'não' é para o próprio bem do projeto.

Aqui estamos tratando da realidade em que não pode atender um pedido, isso é comum em grandes, médias e pequenas empresas, não existe uma empresa capaz de fazer tudo.

3. Toda relação em que uma das partes ou ambas dependem, é uma relação fadada ao fracasso

Pare e pense, se você não quer manter uma relação de trabalho com alguém, mas é obrigado por alguma multa contratual ou porque depende por outro motivo, a sua produção será a mesma se trabalhar insatisfeito?

As relações de dependência podem ser as mais variadas. Uma multa contratual, ou você só tem um fornecedor para seu produto que mais vende, monopólio, um cliente é responsável pelo grosso de sua renda e inúmeras outras situações.

Quando você depender de uma relação, você se submeterá a vontade do outro lado e para isso, normalmente, você precisará abrir mão de muitas coisas. Algumas vezes envolvem crenças, valores e, em alguns casos, a dignidade da pessoa que comanda a empresa.

Trabalhar insatisfeito, por si, compromete a capacidade de produção, agora, trabalhar sem dignidade compromete suas relações. Assim, como disse anteriormente, as relações são a base de qualquer negócio.

Não desenvolver relações de dependência vale para tudo na vida e pode ser encarado como uma máxima de vida, afinal, imagine um vínculo amoroso onde uma das partes é dependente afetivamente... Esta parte vai precisar de terapia em algum momento da vida, além de ser incapaz de fazer a outra feliz.

Aqui na Clave não tenho contratos com período mínimo, mantenho meus clientes contando com a vontade deles em estar comigo. É a relação mais saudável possível. Meu trabalho se resume em mantê-los satisfeitos. Se eu manter isso, eles vão ser fiéis e ainda me recomendar.

Isso é tão bom que gostaria muito que todos eles aplicassem em seus negócios. Se todos agissem assim, nossa sociedade seria mais saudável, mas tenho consciência que isso é uma ação para os virtuosos e justos.

Não é fácil e nunca vai ser, mas vale muito o esforço.

4. O coração manda mais nas decisões de negócios que a mente

O clássico conflito entre a razão e o sentimento...

Vou frisar aqui novamente: o sentimento é quem decide se vai fechar o negócio.

Claro, não é só o sentimento, ele não é o único fator de decisão, mas ele é o que você deve alcançar de seu cliente ou parceiro para fechar o negócio.

Podemos entender como sentimento nos negócios os mais comuns, como: segurança (item 1 desta lista); empatia; afinidade; vontade ou desejo; entre outros.

O sentimento, por parte do cliente, é percebido mais no início e no fim da negociação, geralmente quando vai tomar a decisão.

É importante considerar o sentimento e buscar alcançá-lo de forma positiva.

É ideal que o primeiro contato gere algo positivo, que se mantenha nas negociações e que o cliente esteja munido deste sentimento quando for tomar a decisão de fechar ou não com você.

A avaliação que ele fará de sua postura, serviços, atendimento e tudo mais que é subjetivo, não é cognitiva ou através de um método.

Imagine alguém criando fórmulas em uma planilha para avaliar o seu atendimento ou postura, é algo quase impossível de acontecer.

Eles avaliam cognitivamente, conscientes, com a razão e lógica, o valor, o que vai receber em troca, forma de pagamento, etc.

Mas, se tudo isso estiver na média, o que a pessoa sente em relação a você vai fazer com que ela decida por fechar contigo em detrimento de seus concorrentes.

Em muitos casos, nem a pessoa vai saber dizer o porquê fechou com você.

E como garantir bons sentimentos do seu cliente em relação a você?

Bom, existem muitas coisas que pode fazer. A imagem é a primeira preocupação que deve ter. A imagem é o que ele percebe em cada contato com você. A soma de todas as imagens percebidas por ele constrói sua reputação.

Não tem segredo, boa parte das dicas aqui nesta lista responde à pergunta.

Seja coerente sempre! Se for honesto e transparente em tudo, isso será natural, basta que se preocupe em mostrar isso.

A técnica vai variar de acordo com as particularidades de cada negócio. Poderia citar alguns exemplos, mas não convém tomar muito espaço aqui para eles, além de que, o que caberia aqui não cobriria sequer metade da realidade.

Portanto, se sentir a necessidade de exemplos dentro da sua realidade, pode falar diretamente comigo (Inbox) pelo WhatsApp, basta enviar seu número ou solicitar o meu pelo formulário de contato aqui ou em meu LinkedIn pessoal clicando aqui

Bora seguir a lista...

 

5. Amizade, amizade, negócios no meio! Quem separa negócios e amizades tem má intenção.

Exatamente isso!

Também pensei em um outro título “Trate seus clientes como trata um amigo”, mas aí ficaria menos atraente e não resume esta lição que aprendi:

Conclua comigo: se o seu serviço ou produto é bom, se você faz o seu melhor, se você é honesto, por que seu negócio não é bom para um amigo?

Quem criou e dissemina o dito popular “Amigos, amigos, negócios à parte”, claramente, é do tipo que deixa clientes e parceiros insatisfeitos, gosta de manter as pessoas dependentes dele para engolir sua dignidade como expliquei na lição 3 (eu sei... é forte a frase, mas é a realidade) e é o tipo de brasileiro acostumado com o “jeitinho brasileiro” de resolver as coisas.

Este prestador de serviço/ empresa que separa amizades de negócios, claramente tem más intenções em suas relações profissionais ao ponto de não ter coragem de oferecê-lo um amigo.

Não necessariamente é uma má pessoa. Se fosse má pessoa, ele ofereceria para um amigo de infância e o deixaria insatisfeito. Pessoas más dão golpes em amigos e familiares.

Mas estou falando do tipo de pessoa, que não é má, mas conserva más intenções de maneira inconsciente.

No Brasil, adotamos uma cultura em que algumas situações erradas, mas comuns, não são tão erradas assim e passam a ser encaradas como corretas. Como prometer mais do que pode cumprir ou cobrar mais do que vale alguma coisa, ou omitir dados, parecer ser e não ser, entre outras.

Encarar essas situações como normais e se consolar dizendo: “mas todo mundo faz” ou chamar propina de “um cafezinho”, são exemplos da forma que encontraram para se sentir bem consigo mesmo moralmente e dormir em paz.

Mas, a realidade é que não é correto. Portanto, indico que tratem e até desenvolvam amizades com seus clientes e parceiros, forneçam seus serviços para amigos, misture tudo isso. Se não consegue, reveja seus serviços, pode ser que esteja errando em alguma etapa, acerte isso e seja feliz.

O mais importante, e é algo que apliquei com sucesso nos meus negócios:

Trate um lead ou cliente que acabou de conhecer como seu amigo, olhe e fale com ele como você fala com seu amigo de infância. Uma pessoa que acabou de conhecer merece 100% de sua confiança, cabe a ela manter isso ou não.

Garantias nos relacionamentos não existem, só temos o voto de confiança, mas vou discorrer isso um pouco mais na próxima lição que aprendi.

Por hora, pense que se quer um voto de confiança de seu futuro cliente ou cliente atual para que ele pague e contrate seu serviço ou produto, faça sua parte primeiro e dê o voto de confiança.

6. Se decepcione com 10 relações para ter uma relação que valha por 20

Dispor de 100% de sua confiança para uma pessoa que acaba de conhecer é difícil e rende muitas decepções ao longo do caminho.

Vale ressaltar aqui que não estou dizendo para emprestar dinheiro ou passar a escritura de sua casa para uma pessoa que conheceu ontem, não é isso. Aliás, se uma pessoa que você conheceu ontem pedir algo assim ela já não fez por merecer 100%, talvez 90%, 80% ou menos, depende da situação.

Você tem a obrigação de dar seu voto de confiança assim que conhece alguém e, se a pessoa achar que vale a pena manter relacionamento com você, pessoal ou profissional, ela fará por merecer e, talvez, ser um amigo ou amiga fiel no futuro.

É uma ótima forma de selecionar pessoas boas para seguir a caminhada dos negócios com você, afinal, ninguém alcança seus objetivos sozinho.

As decepções fazem parte desta caminhada, é necessário passar por elas, mas por mais dura que sejam, uma pessoa que valha e mereça sua confiança vale por 20 ou mais. Ela apaga todas as suas decepções anteriores.

É preciso ter maturidade emocional, aprender a lidar com as decepções e superá-las.

Assim como as derrotas e as quedas de qualquer empreendedor, as decepções são um caminho para o sucesso e desenvolvimento de suas virtudes.

Perdoar não significa insistir na relação fracassada, mas, sim, livrar-se de mágoas e seguir em frente.

7. Inicie uma relação oferecendo e não pedindo

Iniciar uma relação nova apenas oferecendo, sem pedir nada ou oferecendo mais do que pedindo, pode parecer algo inconcebível para alguns e óbvio no trato com os outros.

A realidade? Raramente alguém atua no mundo dos negócios assim.

Em todas essas 90 relações eu sempre busquei oferecer algo e não pedir nada. Já atendi empresas que não me contrataram, mas passei mais de 3 horas prestando uma espécie de consultoria, mesmo sabendo que ele não iria me contratar.

Eu ofereço o que posso e não me custa muito. Na maioria das vezes, ofereço de boa vontade e com prazer, sempre. Inicialmente, de forma pessoal e instintiva, hoje em dia já faz parte de nossos processos e estudo implementar em nossa filosofia enquanto empresa.

Esta postura elevou nossas avaliações de atendimento e muitos clientes e parceiros classificaram nossa agência como excelente.

Outro grande benefício quando se oferece sem pedir nada, ou oferece mais do que pede é que a outra parte estará mais aberta para suas propostas futuras. Você rompe a barreira da desconfiança e, ao menos, a pessoa vai te ouvir e avaliar o que tem para dizer.

Isso só não vai funcionar se a outra parte não for uma pessoa correta, se ela for arrogante, se conserva nela uma postura esnobe, entre outras características próprias de pessoas desprovidas de virtudes. Existem muitas situações em que posturas como esta que defendo não vão funcionar, minoria, mas existem. Mas isso é bom, vai livrar você de relações ruins para os negócios e, para você pessoalmente, também.

Aquela empresa? A que prestei mais de 3 horas de consultoria e não fechou comigo?

Ela me indicou outras duas que fecharam e vieram já com uma boa percepção do meu atendimento.

Faça as contas que for, calcule o que precisar e sempre vai concluir: Você nunca perde quando oferece algo de boa vontade, aliás, você sempre ganha dobrado tudo aquilo que oferece.

8. O óbvio é a informação mais relevante

Pois é, às vezes não consideramos isso, mas é a uma realidade. O óbvio não só é a informação que deve dar, mas como é o que geralmente ninguém fala, e pior, tende a fazer o oposto.

Aqui será mais fácil dar um exemplo:

Foi muito comum, durante este período de crise econômica, falar com empresas que estavam vendendo menos, tiveram quedas expressivas decorrente da crise recente.

Algumas dessas empresas resolveram cortar custos e, salvo algumas variações, a frase que ouvia era a seguinte:

“Estou vendendo menos e tenho que cortar verba do marketing e da comunicação”

Vou traduzir para ficar claro:

“Estou vendendo menos, vou resolver diminuindo o setor que me faz vender mais”

É... parece aqueles tratamentos antiquados na medicina em que se tratava anemia drenando sangue do paciente.

Neste caso, o óbvio não foi visto pelo cliente e eu precisei alertá-lo que esta decisão não iria sequer remediar a crise, mas, sim, intensificá-la. Além do risco de levar a empresa a falência. Pode parecer simples, mas encontrei muita dificuldade em explicar isso, tive que usar até metáforas como a do tratamento de drenar o sangue.

E isso se repete diariamente em relação aos meus serviços e confesso que deixo passar muitas delas, que se eu alerto o cliente, evita muitos prejuízos futuros, mas estou fazendo o possível e evoluindo neste sentido junto com eles e prosperando no caminho correto.

Kotler já alertou que é comum dar muita atenção ao custo de realizar algo e nenhuma atenção ao custo de não realizar.

 

Considerações pessoais

 

Tem muitas mais lições que aprendi que mereciam estar nesta lista, mas não julguei ainda se convém colocar aqui. Pretendo editar futuramente e coloca-las.

Comente aqui o que achou e aponte se já lidou com alguma situação dessas ou se já aplicou alguma dessas lições e, também, os resultados que teve.

Se quiser bater um papo comigo sobre estas lições, eu estou sempre disponível e acessível. Mande mensagem pelo LinkedIn aqui  ou pelo formulário de contato com o seu WhatsApp, Skype, Hangout, ou o que preferir e vamos falar sobre estas lições. Tenho certeza que vou aprender mais com esta conversa e poder pautar futuras edições neste artigo.

 

 

Relações Públicas e fundador da Agência Clave. Blogueiro de diversas empresas e promotor de práticas digitais mais honestas e transparentes. Um eterno orgulhoso das boas avaliações que recebe de seus clientes. Um brasileiro otimista.

Conteúdo sem estratégia de comunicação é um barco prestes a afundar

Muitas pessoas, no anseio por aumentar as visitas em seus sites e, consequentemente, as conversões, focam na produção de conteúdo em quantidade em detrimento da qualidade e relevância. Realizam um estudo simplificado de palavras-chave e geram dezenas de textos. Nada contra, afinal esta é uma das formas de estar visível.

Vale conferir o manual “Como qualquer um pode escrever um artigo para blog que converta”.  Para ler depois, clique aqui.  estratégia de conteúdo

Criar apenas porque quer ranquear no Google pode ser um barco com um furo, que está prestes a afundar. Isto porque, dentre muitas razões, o conteúdo precisa ser relevante, ter uma utilidade real para o leitor.

Imagine quão potencializado seu conteúdo poderia ser caso seguisse uma estratégia de comunicação, com várias práticas conjuntas, com sinergia, onde o propósito é o sucesso da sua empresa!

 

 

estratégia de conteúdo

 

CONTEÚDO INTEGRANTE DA ESTRATÉGIA DE CONTEÚDO

A comunicação é um grande guarda-chuva que permite muitas ações focando um ou mais objetivos. Ao realizar um planejamento detalhado de comunicação é possível:

  • Ter controle sobre o que está sendo feito. É uma visão macro, holística, onde tudo se converte ao seu objetivo, que pode ser atrair mais visitantes e tornar-se conhecido, aumentar suas vendas, ser referência em seu tipo de negócio, tornar sua imagem mais positiva.
  • Estabelecer metas em curto e médio prazo e ajustá-las (as ações e metas) conforme vão acontecendo.
  • Produzir conteúdo relevante, com qualidade, antecipadamente. Isso lhe dará folga para redigir textos que tratam de um assunto particular que pipocou no momento, por exemplo, sem atrasar sua estratégia…
  • É por isso que seu plano de comunicação deve corresponder à realidade da sua empresa e do local em que atua.

Através de um planejamento bem estruturado você saberá exatamente quem é seu público e, desta maneira, a linguagem utilizada será personalizada, bem como a mensagem.

 

 

ESTRATÉGIA DE CONTEÚDO

 

 

É durante a definição do plano que são definidas quais ferramentas serão utilizadas. No caso de conteúdo:

  • Blog;
  • Textos SEO;
  • Assessoria de imprensa;
  • Marketing;
  • Dentre outras.

Cada ferramenta tem seu ponto forte e ao serem trabalhadas conjuntamente podem surpreender.

 

UMA AGÊNCIA DE RP ESPECIALIZADA EM CONTEÚDO

Pode isso?
Claro que pode!

Aqui na Agência Clave prezamos pela imagem do cliente e todos os textos que saem daqui são pensados e desenvolvidos para trazer sucesso e cooperar com seu marketing digital, se este for o caso.

Os conteúdos da Agência Clave agregam muito em qualquer plano de marketing digital e, por ter relevância, acabam por ter uma vida útil muito longa que pode ser explorado durante anos. Estratégias são pensadas a médio e longo prazo.

Como você têm lidado com seu conteúdo?

Equipe de Redação da Agência Clave.

A equipe de profissionais formados em comunicação da Agência Clave eventualmente estuda sobre o que fazem  e compartilham seus novos aprendizados, a fim de disseminar seus conhecimentos.

8 dicas para criar nomes de empresas

Toda a pessoa que decide criar um negócio, independente do ramo de atuação, terá que passar pelo processo de criar nomes de empresas. E quão difícil é escolher algo que diga o que é o negócio e, ao mesmo tempo, atraia a atenção. Mas fique tranquilo, aqui você encontrará 8 dicas para criar nome atraente para sua empresa. Continue lendo!

 

nomes de empresas

 

O nome da sua marca/ empresa pode ser o motivo de ser lembrada pelos clientes por muitos anos, e este é um dos fatores para que despenda o tempo que for preciso para criar nome atraente para sua empresa.

Abaixo, você encontrará algumas dicas para facilitar a criação de um nome, o importante é refletir sobre todos os pontos com calma já que o nome durará por muitos anos.

 

1- Simples e claro

 

Analise o público-alvo de sua companhia antes de criar nomes de empresas. Quanto mais simples, mais fácil de ser lembrado, de ser dito.

Entretanto, evite nomes com grafia errada, com letras pouco utilizadas em nosso vocabulário. Tais nomes causam confusão e são difíceis de soletrar, o que pode ser negativo para sua marca.

 

2 – Que seja curto

 

Quanto menor, mais fácil de ser assimilado pelo seu público-alvo. Sei que parece difícil, principalmente, quando o seu negócio não é tão simples de ser explicado, mas um nome curto pode dizer muito mais do que um nome enorme.

Tendo que lidar com variadas informações ao mesmo tempo, é complexo ao ser humano assimilar o nome longo de uma empresa, ainda que a capacidade de armazenamento do cérebro seja enorme.

 

3 – Seja original

 

Com tamanha concorrência, ao adentrar no mercado é preciso ter destaque. Escolha um nome que evidencie sua atividade e que, ao mesmo tempo, não seja comum dentre os concorrentes da mesma área.

Pense sempre no público-alvo da sua empresa.

 

4 – Evite nomes que tenham sua localidade na composição

 

Empresas cujo nome contenha o local de atuação podem ficar amarradas caso um dia decidam expandir, além de não fazer nenhum sentido. Veja: Armazém Cotia. Se você abrir uma filial em Osasco, por exemplo, tal nome já não servirá, além de ficar estranho.

 

5 – As tendências

 

Se o seu intuito é capturar um público atento às tendências, escolher um nome nesta linha pode ser uma opção ótima. O problema é que quando esta tendência passar, a sua marca ficará datada, o que não é algo bom. O ideal é ter um nome atemporal, ou seja, atual, independente do tempo de mercado que sua empresa tenha.

 

6 – O nome deve ser bom de ouvir

 

É importante criar nome atraente para sua empresa cuja sonoridade seja boa. Diga o nome em voz alta, escute como soa e se não soar bem ao seu ouvido, escolha outro nome.

 

7 – Um nome eterno

 

Ao criar nome atraente para sua empresa, este precisa ser imenso, duradouro. Não é difícil encontrar marcas com anos de atuação e que serão lembrados por muitos e muitos anos: Coca-Cola, Walt Disney, Apple, dentre tantos outros.

8 – Como criar nomes de empresas de maneira automatizada

 

Após ler as dicas acima percebeu que não consegue mesmo criar nome atraente para sua empresa do zero?

Ok.

Hoje, já existem alguns sites que auxiliam na criação de nomes de empresas, sendo necessários apenas seguir os passos. Abaixo segue algumas destas plataformas:

 

Parece ser bem simples, sendo necessário inserir uma palavra que você deseja que tenha no nome. O ponto negativo neste caso é a quantidade de sugestões sem nexo com o ramo de atuação que aparecem.

Utilizei a palavra “clave” e apareceu “Clave Exército”, “Clave Partes”, “Ponto Clave”, “Micron Clave”, “Panteão Clave” e muitos outros que nada tinham a ver com o ramo de atuação desta agência.

 

Esta ferramenta refina um pouco mais. Você coloca o setor/ área de atuação da empresa, uma palavra relacionada a marca (este campo é opcional) e um e-mail. Pronto!

Ele oferece apenas uma opção de nome, além de verificar se há registro no INPI disponível, bem como domínios de internet. Se oferece para registrar também.

Não achei tão eficiente quanto parecia porque apresentou apenas uma sugestão.

Nada como criar nomes de empresas você mesmo

 

E aí? Suas ideias sobre como criar nome atraente para sua empresa começaram a ficar mais claras com as dicas dadas acima? Espero que sim! No entanto, se ficar com dúvidas, deixe um comentário ou entre em contato conosco. Estamos à disposição para ajudá-lo.

Repassando, o nome da sua empresa precisa causar uma sensação. A pessoa que ouve deve gostar de como soa, deve achar atraente, deve querer repetir o nome porque isso faz com que sua marca seja assimilada e, consequentemente, lembrada.

O nome é o início da construção da sua marca. O trabalho e qualidade do produto/ serviço é o que garantem o crescimento da mesma e sua reputação, claro!

Conheça o blog da Agência Clave. Aqui tem artigos interessantes para quem quer criar seu próprio conteúdo, além de ficar por dentro das tendências de comunicação.

Formada em Relações Públicas pela Fapcom, atuou por 8 anos no terceiro setor com comunicação na temática Segurança Pública. Hoje é responsável pela redação do Profissão Hoteleiro e Relações Públicas na Agência Clave.

O conteúdo é importante para o Marketing Digital

Há muita divergência quando o assunto é saber se o conteúdo é importante para o marketing digital. Algumas pessoas acham que não é tão relevante, outras, por sua vez, que é essencial.

Os anos de atuação como Relações Públicas, especializada na produção de conteúdo, integrante de uma agência que faz conteúdo SEO, me fazem ter a opinião de que sim, o texto produzido é essencial. Mas não falo de conteúdo completamente raso.

Hoje, com as novas métricas do Google, a produção de textos ficou mais séria, precisa conter informações relevantes para que o ranqueamento seja real, duradouro. E então a temática “conteúdo é importante para o marketing digital” passou a ser muito mais relevante do que já era.

As pessoas gostam de ler coisas interessantes, porque não prover isto a elas?

 

O que a sua empresa tem a comunicar?

conteúdo é importante para o marketing digital

 

Independente do ramo de atuação da sua empresa, você sempre terá alguma coisa a comunicar para o seu público:

  • Consumidores/ Clientes;
  • Funcionários;
  •  Parceiros;
  • Fornecedores;
  • Comunidade em que está inserido;
  • Dentre outros.

A única questão é saber como comunicar. Você pode dar dicas sobre como utilizar os produtos que você mais vende, se este for caso. Ou apresentar as vantagens de terceirizar um serviço com sua empresa, por exemplo. São informações interessantes, relevantes que podem tornar a imagem da sua empresa positiva entre seus públicos e, ao mesmo tempo, converter em vendas de produtos e serviços.

Um case interessante

 

Um dos cases mais interessantes que tive a oportunidade de trabalhar na Agência Clave foi com uma loja de ferramentas online.

Imagino que você talvez esteja se perguntando o que uma loja de ferramentas poderia comunicar ou produzir de conteúdo relevante?

Confeccionamos o blog para esta loja de ferramenta com o mesmo nome de seu e-commerce, e a produção de conteúdo foi iniciada justamente quando a crise hídrica atingiu seu ápice em São Paulo. Como utilizar a temática de um problema tão sério?

Com a devida autorização do inventor, escrevemos um post ensinando as pessoas a produzir um sistema de captação de água da chuva incluindo o tambor para armazenamento. E este foi um dos artigos mais visitados por muitos meses!

Fizemos parcerias com blogueiros e youtubers que trabalhavam com madeira, utilizavam ferramentas, e isso nos permitiu reviews interessantíssimos sobre os produtos que eram comercializados no e-commerce, dentre outros.

No fim, o dono fechou a loja por querer atuar com Marketing Digital para e-commerce, mas o blog deu tão certo que hoje, 2 anos ou mais do encerramento das atividades da loja, continua sendo acessado por hobbistas.

Neste blog há uma coluna com o DIY (Do it yourself ou Faça você mesmo), ferramentas, curiosidades, dentre outras.

Conteúdo é importante para o Marketing Digital e converte

 

Para saber o quanto um bom conteúdo influencia nas vendas ou contratações por seu serviço basta analisar as estatísticas do seu site. Confira outras informações relevantes sobre o assunto:

  • Segundo uma pesquisa da ABG Essentials, o conteúdo no marketing converte 6 vezes mais que outros métodos de marketing digital.
  • Depois de ler recomendações ou dicas em um blog, 61% dos consumidores online nos EUA decidem fazer a compra (o dado é do Content Marketing Institute).

Independente da estratégia que você e sua empresa tenham adotado, o conteúdo é importante para o marketing digital e fará toda a diferença no modo como seu público te vê.

 

Confira dicas para produzir textos com qualidade neste blog!

Formada em Relações Públicas pela Fapcom, atuou por 8 anos no terceiro setor com comunicação na temática Segurança Pública. Hoje é responsável pela redação do Profissão Hoteleiro e Relações Públicas na Agência Clave.

Blog institucional para público interno

Muitas empresas preocupam-se em criar blog institucional para atrair mais visitantes a seus sites, vender mais produtos, o que não é errado. Um blog institucional pode e deve ser utilizado para comunicar a seus públicos conteúdos de interesse, como novos produtos, nova frente de negócios, crescimento, prêmios e quaisquer outras informações que considere pertinente.

 

blog institucional

 

 

No entanto, o blog institucional pode servir também como um painel para os seus colabores e público interno. Estes também são um público de interesse da empresa e precisam saber o que está acontecendo.

São considerados público interno:

  • Colaboradores
  • Parceiros
  • Sócios
  • Acionistas
  • Terceirizados
  • Investidores

 

O blog institucional em favor da empresa

 

Como qualquer ação realizada na empresa, gerir um blog institucional para público interno requer planejamento e, claro, uma estratégia, para que nem empresa, nem colaboradores sejam prejudicados.

 

  • Uma das maneiras de bem utilizar o blog institucional é oferecer informações completas, de uma só vez. Isso evita desencontros de comunicação, o famoso ruído.
  • Comunicação no momento que acontece – com tudo fresco na mente, não se pode perder o timing da informação. Infelizmente, em muitos blogs a notícia relevante só é publicada semanas após.

 

Quando a comunicação é bem-feita, o colaborador sente-se parte da empresa, sente-se relevante, como de fato é.

Um blog institucional é a ferramenta ideal para renovar o conhecimento da equipe com materiais de apoio, por exemplo, que auxiliarão o dia a dia, para realizar pesquisas internas e com certeza pode ajudar a conquistar as metas da empresa, impulsionando a equipe.

 

Todos precisam ser ouvidos

 

Quando buscamos a palavra ‘comunicação’ no dicionário, encontramos que é o ato de transmitir uma mensagem e receber uma resposta.

 

O blog institucional para público interno precisa ser um espaço seguro para que todos sejam ouvidos. E isso só trará ganhos para a empresa. Ouvindo, evita-se crises que não poderiam ser contornadas com facilidade e, mais uma vez, deixa-se de lado os ruídos na comunicação.

 

 

 

O blog institucional para público interno pode ser aberto a todos?

 

Sim.

A única questão a ser levada em conta é se o conteúdo ali disponibilizado pode ser exposto a todos, integralmente. É o caso, talvez, de informações contendo dados financeiros, dados pessoais, dentre outros.

Para evitar o acesso a essas informações, é possível criar uma área interna no próprio blog onde apenas quem tenha uma senha ou código possa acessar.

Tenha o controle de quem lê as informações, para evitar vazamentos e crises.

 

Confira mais dicas e saiba como qualquer pessoa pode escrever artigos para blog aqui.

 

Formada em Relações Públicas pela Fapcom, atuou por 8 anos no terceiro setor com comunicação na temática Segurança Pública. Hoje é responsável pela redação do Profissão Hoteleiro e Relações Públicas na Agência Clave.

Não fique de fora: Cores para design 2018 segundo Pantone

A escolha certa de cores para design como para seu logo ditará seu fracasso ou sucesso com seu público alvo

Não é novidade que as cores exercem diversas sensações quando em contato conosco. As cores podem acalmar, possibilitar que prestemos mais atenção a alguma coisa, dentre outras sensações. Além da área psíquica, a escolha certa da cor para um logo pode determinar o sucesso ou não de uma marca quando o assunto é comunicação.

 

 

As cores para design erradas de uma campanha podem fazer com que algo com grande potencial não tenha a resposta esperada ou até fracassar. Para não se equivocar, o ideal é estar atento à tendência.

Todos os anos, o Pantone Color Institute (Instituto de Cor Pantone) emite um release com as tendências de cores para o ano em questão, normalmente, antes dos grandes eventos da moda, como o New York Fashion Week.

Segundo Leatrice Eiseman, Diretor Executivo do Instituto de Cor Pantone “Para o Outono/ Inverno de 2018 a paleta de cores continua a mostrar a necessidade por individualidade, engenhosidade e criatividade”.

Percebe-se que, cada vez mais, os consumidores se afastam das modas cíclicas e buscam por cores auto expressivas e não-tradicionais. É o caso da Pantone 12-0740 Limelight e também da Pantone 15-3510 Crocus Pétala.

Pantone 19-1536 – Red Pear (Pêra Vermelha) – Um vermelho profundo, intenso.

 

Uma linda peça em couro em Red Pear. Veja.

 

 

Pantone 18-1549 – Valiant Poppy (Papoila Valente) – trata-se de uma cor fascinante, extrovertida.

 

O site Millan Style Guide conseguiu demonstrar lindamente esta cor.

 

Pantone 18-4048 – Nebulas Blue (Azul Nebuloso) – recebe este nome por ser um ‘azul pensativo’.

 

Pantone 15-0850 – Ceylon Yellow (Amarelo Ceilão) – traz o que há de picante e exótico a esta época do ano.

 

Uma cortina nesta cor é, com certeza, o ponto de atenção do espaço.

 

 

Pantone 18-0625 – Martini Olive – é uma cor sofisticada e também muito urbana, acrescenta profundidade a paleta de cores do outono/ inverno.

 

 

Pantone 16-1255 – Russet Orange (Laranja Russet) – é aquele laranja visto nas florestas do hemisfério norte. É calor, beleza.

 

 

 

Pantone 15-3520 – Crocus Petal (Pétala de Açafrão) – é uma das cores mais leves presentes aqui. Como uma brisa.

 

 

Pantone 12-0740 – Limelight (Ribalta) – Não é picante como o Ceylon Yellow, mas é animado, chamativo.

 

 

Pantone 18-5025 – Quetzal Green (Verde Quetzal) – é daquelas cores que logo prendem a nossa atenção por ser profundo, um verde azulado, elegante.

 

 

E a cor do ano 2018: Pantone 18-3838 Ultra Violet ou ultra violeta. Trata-se de uma cor roxa, indígena, inspiradora, que remete ao cosmos. A escolha da cor do ano não é aleatória, resulta de muita reflexão e do reconhecimento do que falta no mundo atual.

 

Todas essas cores para design em geral foram escolhidas pelo Pantone Fashion, Home + Interiors Color System e são referências para a indústria da moda, mas também para profissionais de comunicação, decoradores, dentre outros.

Formada em Relações Públicas pela Fapcom, atuou por 8 anos no terceiro setor com comunicação na temática Segurança Pública. Hoje é responsável pela redação do Profissão Hoteleiro e Relações Públicas na Agência Clave.

Blog corporativo no marketing digital: uma ferramenta indispensável

Blog: Se o concorrente já tem, você está um passo atrás. Se não tem, é a chance de se destacar!

 

Um blog corporativo pode alavancar vendas, construir e manter relacionamentos com seus públicos, adquirir feedbacks valiosos, construir e manter uma reputação, atrair tráfego para seu site, ajudar no SEO, entre outros benefícios. Mas claro, vamos falar dos detalhes disso logo mais.

Vale lembrar que o consumo digital, sobretudo em blog corporativo, é muito alto na sociedade atual e cada vez mais crescente, coisa inimaginável há alguns anos. Por isso, as empresas necessitam estar no ambiente virtual, alimentando seus futuros e atuais clientes de informações sobre produtos e serviços. Esta é, também, uma maneira de ficar na frente dos concorrentes.

Blog corporativo
A imagem é do Blog da Petrobras. Ele nasceu durante uma crise com o objetivo de melhorar a imagem da empresa perante seus clientes e acionistas. Você pode acessá-lo clicando aqui.

 

O Marketing Digital é uma ferramenta essencial para quem quer dar mais visibilidade e fortalecer a imagem da sua empresa. Afinal, todo mundo está na internet, inclusive o seu cliente. A empresa precisa estar presente no  Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e em outras mídias digitais. Esta é uma maneira de ampliar a reputação do negócio, deixando-o mais atraente.

 

Um Blog corporativo é mais eficiente em relação a outras mídias sociais

Uma publicação em um blog, quando não é uma notícia e sim um artigo relevante e não sazonal, tem um grande potencial de ser relevante anos após sua publicação e ainda trazer muitas visitas para o site, o que não exigiria um frequência custosa de publicações. Veja um comparativo:

blog corporativo

Além disso, as visitas do site vindas do blog corporativo da empresa possuem um percentual de conversão muito maior, pois já se trata de um público filtrado e que já demonstrou interesse pelo produto ou serviço.

 

Na prática, como um blog corporativo pode me ajudar?

Quem não está na internet, está morto! Pensando nesta realidade, lhe daremos algumas dicas sobre Marketing Digital. A primeira é que ao ler esse texto no Blog corporativo da Agência Clave, você demonstra que é uma das pessoas ávidas por conteúdos digitais e que, diariamente, se informa sobre algo que te interessa por meio da internet.

Já que você é uma prova do quanto o Marketing Digital é importante, entenda melhor sobre este método, explicaremos neste artigo a importância de estar nas redes digitais.

O Marketing Digital utiliza diversos meios disponíveis na internet para dar visibilidade à imagem de uma empresa. Entre as ferramentas utilizadas no Marketing Digital, estão:

  • Sites;
  • Blogs;
  • Redes Sociais (Facebook, Twitter, Instagram, LinkedIn, Pinterest, Tumblr, entre outras);
  • Whatsapp, SMS;
  • Banners e anúncios digitais;
  • E-mails marketing.

 

 

Como estruturar e manter um blog corporativo?

Para manter um blog corporativo é necessário ter um funcionário interno com formação em comunicação, contratar uma agência especializada ou de marketing digital ou ainda manter por conta própria, preparando um funcionário com cursos específicos, caso ele não seja da área de comunicação.

Se contratar uma agência como a Clave, que mantêm todo o projeto de forma independente, considere uma participação ativa, pois pode agregar positivamente no conteúdo publicado.

Blogs para crescer – Como destacamos acima, há várias ferramentas utilizadas pelo Marketing Digital, mas nenhuma é tão importante e eficiente quanto o blog corporativo Ainda no exemplo acima, as chances de você achar a nossa página onde oferecemos o serviço em questão é muito grande. Isso ocorre de forma natural porque o espaço (este artigo) contém informações detalhadas sobre produtos e serviços da empresa por meio de uma linguagem objetiva, direta e informal. Isso traz sentido para o leitor, o entendimento é completo.

O blog corporativo é uma importante ferramenta para a construção da reputação de uma empresa/marca, mantenha uma categoria com assuntos institucionais e exponha o dia a dia da empresa e suas conquistas, além de detalhes de sua atividade. Com este conteúdo bem estruturado, texto bem escrito e imagens de qualidade, você poderá causar uma boa impressão em seu público. Uma série de boas impressões lhe trará uma reputação positiva.

Blog Corporativo Sócrates

Considere sempre expor conteúdos verdadeiros, se sua empresa não está preparada para se “desnudar” em transparência nas redes sociais, procure se preparar antes. Adapte seus processos e equipe para atue conforme todos os padrões morais exigidos pelos seus públicos. Faça sem perder a autenticidade, aliás é isso que deve expor, pois é o que vai caracterizar sua marca perante seus públicos.

 

 

Porque um blog corporativo ajuda a vender?

O blog corporativo é uma estratégia muito eficiente para as empresas que desejam aumentar suas vendas. Mas, para que dê certo, as publicações devem ser segmentadas e atraentes.

Um blog corporativo bem planejado – estrategicamente planejado – que ofereça conteúdos interessantes e relevantes, vai atrair muitos clientes para a sua empresa. O mais importante a se considerar sobre os clientes vindos da internet é que não é você quem vai buscar o cliente, mas é ele quem vai sentir a necessidade de procurar sua empresa para adquirir produtos ou serviços. Neste caso, o blog corporativo busca suprir uma dúvida, curiosidade ou anseio de seu possível cliente, assim, quando um visitante chegar em seu site vindo através de seu blog, é certo de que ele virá confiando em sua empresa, com a expectativa nivelada e certo de que você tem o que ele procura.

A melhor maneira de vender produtos e serviços é influenciando o internauta de modo que ele não se sinta coagido. Caso ele se sinta pressionado, ou encontrou uma linguagem muito comercial em seus textos, auto promoção, tenha certeza que sua empresa já perdeu este cliente e tantos outros que ele poderia convencer sobre a qualidade de seus produtos ou serviços. Com isso, ao invés de sua empresa conquistar clientes, vai atrair índices de rejeição.

Considere sempre uma ajuda profissional para desenvolver e manter um blog corporativo, isso pode lhe poupar meses ou anos de tentativas e erros, contrate um profissional de comunicação interna ou terceirize este serviço.

blog corporativo

Deixe um comentário aqui e curta nossa página no facebook para ficar sabendo de novos conteúdos: Facebook/AgênciaClave

Equipe de Redação da Agência Clave.

A equipe de profissionais formados em comunicação da Agência Clave eventualmente estuda sobre o que fazem  e compartilham seus novos aprendizados, a fim de disseminar seus conhecimentos.

Nunca subestime o uso profissional da câmera de seu celular

Pessoalmente prefiro as câmeras reflex para uso profissional, não pela qualidade, pois isso é superado sempre por celulares e outras câmeras “amadoras” mas, sim, por sua função manual que possibilita o controle total da produção da imagem. Apesar disso, uso muito o celular diariamente e, profissionalmente, acho válido. Obviamente não para todos os casos, mas para a maioria resolve com louvor.

O celular é versátil e está sempre a mão, além de evoluir tecnologicamente todo ano. Como exemplo, alguns YouTubers usam o celular para gravar, armazenar, tratar, editar, e fazer o upload de seus vídeos em qualidade HD (e ganhando dinheiro com isso). Entre outros, temos corretores de imóveis fotografando um apartamento/ casa para ter à mão quando o comprador solicitar e para anúncios em sites especializados. Os exemplos são muitos e de diversas áreas.

Já produzi conteúdos para clientes usando o celular, pois a imagem ilustrativa era para o ambiente digital e não exigia mais do que o celular poderia fazer e, com uma ajudinha do photoshop, o resultado foi excelente. Um conhecimento de fotografia sempre ajuda, aliás este é o fim deste artigo, quero pontuar algumas dicas para ajudar a melhorar a qualidade de suas fotos, e quem sabe, não use seu celular profissionalmente também e se você já usa, poderá melhorar a qualidade do seu material.

Regra dos três terços

regra-dos-tercos1Consiste em imaginar duas linhas paralelas na horizontal e duas na vertical, dividindo a imagem em três partes iguais. O ponto onde estas linhas se encontram são chamados de “pontos de ouro”. É o local mais valioso para se colocar o objeto fotografado.

 

 

Veja alguns exemplos:

tut_analise_grafica_cartaz_interstellar_05_04e1_animado1

grades_para_regra_de_tres1

O horizonte (objeto destaque do autor) está nos dois “nós” inferiores das linhas imaginárias.
11
Aqui o horizonte (objeto destaque do autor) está nos dois “nós” superiores das linhas imaginárias. Ambas lindas imagens.

Lentes para celular

kitlentesparacel-kit-lente-unive_92dcbc576c63d17961e641419ffdb7a51

No mercado existem diversos modelos de lentes para celular, o mais popular foi desenvolvido na China (para variar) e, assim é, porquê é compatível com quase todos os celulares do mercado e não requer modificação no aparelho.

A regra para usar estas lentes é se divertir, brincar com elas. Como estas lentes não são profissionais, a qualidade maior virá de uma composição criativa e quanto mais você se diverte, mais espaço terá para a criatividade. Com criatividade é possível produzir excelentes fotos e vídeos.

O kit possui 3 lentes:

giant-chipmunk1
Lente “olho de peixe”
ultrawide111
Lente “grande angular” (wide)
macro-lente-iphone1
Lente “macro”

Algumas fotos de celular premiadas:

 

Primeiro prêmio na categoria Animais. Por Erica Wu, San Francisco, Califórnia.

fotos_premiadas_ippawards_2016_011

 

Primeiro prêmio na categoria Viagens. Por Fugen Xiao, Guangdong, China.

fotos_premiadas_ippawards_2016_021

 

Segundo prêmio na categoria Pôr do Sol. Por Yongmei Wang, Chongqing, China.

fotos_premiadas_ippawards_2016_031

 

Segundo prêmio 2016. Por Robin Roberts, Carlsbad, EUA.

fotos_premiadas_ippawards_2016_091

 

Primeiro prêmio na categoria Natureza. Por Junfeng Wang From Xangai, China.

fotos_premiadas_ippawards_2016_101

 

Primeiro prêmio na categoria Flores. Por Lone Bjorn, Zurique, Suíça.

fotos_premiadas_ippawards_2016_121

Relações Públicas e fundador da Agência Clave. Blogueiro de diversas empresas e promotor de práticas digitais mais honestas e transparentes. Um eterno orgulhoso das boas avaliações que recebe de seus clientes. Um brasileiro otimista.

Benefícios do treinamento para sua empresa

Qual Benefícios do treinamento para sua empresa?

Ainda que estejamos há poucos dias do início da Copa do Mundo no Brasil, a imagem dos serviços prestados pela sua empresa persistirão por muito tempo, independente da quantidade de turistas que o país receba para as festividades. Deixar um traço de excelência para os turistas brasileiros também é primordial para tornar a sua marca ainda mais conhecida de maneira positiva.

Benefícios do treinamento para sua empresa

Uma imagem negativa pode acabar com as chances que a sua empresa possui de crescer no mercado e de iniciar uma nova tradição/ referência entre as companhias nacionais. Quando falamos em imagem positiva, não estamos tratando apenas de sua comunicação através de diversas mídias, mas também da comunicação que os seus colaboradores transmitem ao atender os seus clientes.

Pare um momento e analise todos os âmbitos de sua empresa. Você está satisfeito com o que está oferecendo? Se você fosse o consumidor, ficaria satisfeito com o atendimento prestado? Existem aspectos que lhe incomodam em algum lugar da sua empresa?

Caso tenha ficado em dúvida, talvez seja a hora cogitar a contratação de uma empresa especializada para prestar treinamentos específicos à sua equipe.

Mas quais os benefícios de treinamentos de equipe?

  • Atualização com as últimas novidades do mercado hoteleiro;
  • Identificação de pontos a serem melhorados por parte dos próprios colaboradores;
  • Valorização e motivação dos colaboradores;
  • Baixo custo com a melhoria de sua imagem;
  • Baixa rotatividade dos colaboradores.

Rosana Giancaterino, dona da RG Consultoria Hoteleira, completa afirmando que “ao prestar treinamento, os colaboradores se sentem valorizados e eles mesmos passam a acreditar no produto que vendem (a empresa). Com isso, trabalham muito mais felizes, atendem melhor e o mais importante: vestem a camisa. Além do treinamento aos colaboradores que fazem o atendimento final, é imprescindível treinar também as lideranças, pois cabe a elas acompanhar e motivar os demais”.

Caso fique em dúvida sobre ouvir os que os seus colaboradores têm a dizer sobre o seu negócio, sempre tenha em mente que é melhor prestar atenção ao que ocorre dentro da sua empresa antes que se torne público. O preço para remediar uma imagem arranhada é muito alto e não é apenas financeiro.

Colaboradores bem treinados, bom atendimento aos clientes mantêm a porta do seu negócio aberto a futuras parcerias, cria a tradição de empresa com boa reputação e atrai mais clientes de maneira consistente.

 

Formada em Relações Públicas pela Fapcom, atuou por 8 anos no terceiro setor com comunicação na temática Segurança Pública. Hoje é responsável pela redação do Profissão Hoteleiro e Relações Públicas na Agência Clave.